A Melhor Forma. (re-post)

Ainda na sessão nostalgia daquele antigo CD riscado Titãs – Acústico, a playlist emociona no vai-e-vem de acordes e melodias que arrematam, mesmo sem qualquer motivo aparente. A letra simplismente encaixa, invade e modifica o sistema operacional.

A melhor forma de esquecer
É dar tempo ao tempo

A melhor forma de curar o vício
É no início

A melhor forma de escolher
É provar o gosto

A melhor forma de chorar
É cobrindo o rosto

Evitar as rugas
É não olhar no espelho

Esvaziar o revólver
É puxar o gatilho

A melhor forma de esconder as lágrimas
É na escuridão

A melhor forma de enxergar no escuro
É com as mãos

As idéias estão no chão
Você tropeça e acha a solução

Acabar com a dor
É tomar um analgésico

Matar a saudade
É não olhar pra trás

A melhor forma de manter-se jovem
É esconder a idade

A melhor forma de fugir
É a toda velocidade

As idéias estão no chão, você tropeça e acha a solução.

 

A melhor forma – Titãs.

I’m Not Proud

Eu não vou dizer que tenho orgulho dos meus erros. Se um dia eu pudesse voltar e acertá-los, eu faria tudo por isso.

Não são coisas grandes, são pequenos gestos, falas ou atitudes com quem um dia convivi.

Não são sobre bens, dinheiro ou posses. São sobre amor, perda e saudades.

Machuca muito as vezes lembrar.

Mas eu percebo as vezes que a dor vai-se amenizando conforme se perde a culpa dos erros e então, a gente aprende a entendê-los…

E aí, sabendo que o passado eu não mudo, e as coisas são como são… O que dá pra fazer é tentar o melhor.

O erro é inevitável. Mas é preciso entendê-lo, aceitá-lo e então… Sobreviver.

Da melhor forma que podemos.

Watching the clouds…

A gente aprende, aos pouquinhos, a entender os próprios defeitos. Não a suportá-los, claro, rs…

E aí, quando se entende a si mesmo, acho que estamos prontos pra aceitar um outro alguém.

A gente consegue acolher dentro do peito, que não é perfeito. Todo mundo tem seu lado estranho…

Isso inclui eu e você.

Mas a gente aprende a rir dessas coisas e esperar sempre o melhor.

Olho pras nuvens escuras de chuva e percebo isso… Que não importa muito quem somos e como somos…

Pois quando nos esbarramos e decidimos nos juntar, seja chuva ou seja sol…

As nuvens continuam lindas como sempre. 🙂

Sick Of It!

I’m tired of acting like a jerk. That’s it, I quit!

For now on, I’m gonna give my best and be the best person that I can be.

For you, for no one and for me!

I’m gonna give my soul as I can and try really hard for the stuff I really want.

Cause if I don’t do that, I guess I’m gonna step backwards…

And we don’t want that… Do we?

At least, I don’t.

So, I’m sick of it!! I’m in this life cause I want and I’m gonna be whatever I’m gonna be!!

In the best ways of it!

FUCKYEA

Boy, you’re gonna carry that weight…

Certa vez havia um caminho para voltar para casa
Durma, bela adorável, não chore
E eu lhe cantarei uma canção de ninar

Sonhos dourados enchem seus olhos

Sorrisos lhe acordam quando você se levanta
Durma, bela adorável, não chore
E eu lhe cantarei uma canção de ninar

Certa vez havia um caminho para voltar para casa

Garoto, você ira carregar esse peso
Carregar esse peso por um longo tempo.
 

Eu nunca te dei meu travesseiro

Eu apenas lhe enviei meu convite
E no meio das celebrações
Eu desabei.
 
Você estará em meus sonhos esta noite?
 
 
E, no final, o amor que você recebe

É igual ao amor que você dá.

GOLDEN SLUMBERS / CARRY THAT WEIGHT / THE END

THE BEATLES

Live and Let Die.

Quando você era jovem e seu coração era um livro aberto
Você costumava dizer viva e deixe viver
Mas se este mundo de constantes mudanças no qual vivemos
Faz você se entregar e chorar…

Diga viva e deixe morrer

O que isso importa para você
Quando você tem trabalho a fazer,
Você tem de fazê-lo bem,
Você tem que dar ao outro camarada, o inferno.

Você costumava dizer viva e deixe viver
Mas se este mundo de constantes mudanças no qual vivemos
Faz você se entregar e chorar

Diga viva e deixe morrer

LIVE AND LET DIE – PAUL MCCARTNEY

You know you were such an amazing guy

And you let us a piece of yours to love forever.

Kill Bill – volume 2

Que Tarantino é um mestre, todos nós sabemos… rs

Kill Bill – volume 2 tem aproximadamente 137 minutos, pertence ao gênero de Ação e foi escrito e dirigido por Quentin Tarantino, inspirado no personagem de “The Bride” de Q&U.

Depois de visto o primeiro volume, é claro que Tarantino deveria nos saciar com o descorrer dessa história esplêndida da mais pura vingança, estrelando a sanguinária Uma Thurman, que interpreta tão bem que até emociona. Muitíssimo bem produzido e executado, o filme mantém-se na linha de maestria de um de meus diretores e roteiritas prediletos, com ápices de clímax e pancadarias intermináveis, com acentuações da cultura japonesa/chinesa ainda bem nítidas nessa obra americana. De fato, uma das melhores junções dessas culturas que já vi em uma obra de cinema. Infinitos pontos pro Tarantino!!

As filmagens parecem ainda melhores, os efeitos continuam sendo bem usados, assim como no primeiro filme, e as atuações são impecáveis. Mas ainda assim, o volume dois mantém o nível de cenas épicas tanto quanto o primeiro volume, com explicações sucintas e hipnotizantes do próprio enredo, o que nos prende na cabeça de Tarantino, doidos por saber o que vai acontecer na história. A cada adversário perseguido, há uma história melhor, uma elevação da personagem e uma expectativa crescente de como tudo vai se resolver. E é óbvio que será em cruzar de espadas e sanguinolência, hehe. A trilha sonora não é tão boa quanto a do primeiro volume, mas também não peca. Agrada e ganha sintonia com o filme. Uma obra muitíssimo bem feita.

Sinopse: Com esse thriller, o diretor e roteirista Quentin Tarantino (Pulp Fiction) completa a saga de vingança iniciada pela Noiva (Uma Thurman) em Kill Bill Vol. 1! Com dois nomes riscados de sua lista de morte, a Noiva está de volta com muita sede de vingança e os próximos da lista são Budd (Michael Madsen) e Elle Driver (Daryl Hannah), os únicos sobreviventes do esquadrão de assassinos que a traiu quatro anos atrás. Mas sua espada ainda pede o sangue de Bill (David Carradine), seu antigo mestre e mandante da execução. Como sequência do aclamado Kill Bill Vol. 1, você sabe do que Tarantino é capaz. Isso significa que tudo pode acontecer.

rating: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥