Bebê no lixo.

Esta tarde, enquanto eu terminava de descer seguindo a Itaberaba City, percebi um certo aglomeramento de pessoas, próximo a um ponto recheado de lixo, numa das praças da travessia. Notei, juntamente aos curiosos, uma viatura e 4 oficiais. Aproximei-me, porém não tanto, pois não queria ser um empecilho para o que quer que os oficiais tinham de fazer. Eu nada pude ver a não ser todo o lixo habitual ali jogado… mas havia uma faixa de acesso restrito em volta de tudo. Estranhei e pouco entendi. Foi quando meu amigo perguntou a uma senhora, e ela, com uma cara de tristeza, mesclada com desaprovação e talvez repulsa, soltou de uma vez, naquele tom monótono.

-Jogaram um bebê fora.

Neste exato momento, aquelas três palavras me pareceram tanto um insulto que tudo que pude sentir vontade foi de responder a altura daquela barbárie.

-Maldito filho de uma puta!! – e meu amigo me acompanhou.

A senhora me deu um olhar assustado de soslaio e voltou a circundar as faixas amarelas, vasculhando o lixo com o olhar. Agarrei o braço de meu colega e o afastei do lugar, seguindo na direção oposta do rebuliço. Ele entendeu que não precisávamos mais do que aquilo. Eu queria dormir esta noite. Já não me bastasse ter esta notícia, não poderia aguentar encarar o pequeno corpo lívido e rodeado de moscas.

Vim o caminho inteiro de volta bufando e batendo os calcanhares, degrinindo até a vigésima sétima geração da vaca que teve coragem de fazer aquilo com uma criança. Simplismente ridículo e detestável. Ainda não consegui nem sequer achar palavras para descrever minha fúria, minha indignação. Como o ser humano decai tanto a ponto de abrir as pernas para um bosta qualquer, dar luz a um pedaço de milagre e então, descartá-lo como restos de comida da semana anterior, para as moscas e os cães.

Lá, junto com o pequenino corpo, tenho toda a certeza de que o ser repugnante que foi a mãe daquele pecado ridículo deveria estar, no mínimo. Porém, ela não estava. E pensar que um ser como este está por aí, agora mais leve sem a responsabilidade… Assim como a degrinição da raça humana que apodrece por dentro e mata por puro desencargo. Da vergonha dessa raça que teima em regredir e se decompor, até não ser mais do que câncer.

Mas uma coisa é certa. O choro daquele crime ressoará pelas noites atrás de seu responsável… E este nunca mais dormirá outra vez.

Aqui se faz, Aqui se paga.

Anúncios

2 Respostas para “Bebê no lixo.

  1. Em tempos de niilismo e vazio, os seres humanos vem se degradando ao ponto de se tornarem insensível para atitudes que parecem não caber no comportamento de uma espécie que se intitula racional. O julgamento pode ser um equivoco quanto não se conhece os motivos para tamanha crueldade, mas seja qual for à razão não existe justificativas para tal decisão. Relatos como esses me fazem olhar para dentro de mim, e perceber que foi realizado por alguém como eu. Talvez seja essa a razão para que Deus permita que coisas horríveis como essas aconteçam. Não há inocentes nessa vida, todos somos culpados pelo o que nos tornamos. A justiça será feita mais cedo ou mais tarde, mas é só um caso entre vários outros que fechamos os olhos para não termos que sentir culpa. Que Deus tenha misericórdia de nós.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s